Portugal
#PequenasEMédiasEmpresas
Conectar os desconectados
DHL Express
DHL Express
7 min de leitura
Partilhar em
facebook sharing button
linkedin sharing button
Smart Share Buttons Icon Partilhar

Do atendimento ao cliente à logística da cadeia de suprimentos, a Internet das Coisas como parte da internet de tudo é importante tanto para as pequenas empresas quanto para os seus clientes.

A Internet das Coisas está rapidamente a tornar-se o desenvolvimento mais importante do século 21. Na sua forma mais simples, a IoT permite que objetos, às vezes chamados de "ativos escuros", se conectem à internet. "Conectar os desconectados" é o chavão.

O que se entende por objetos? Bem, praticamente tudo. Todos nós nos tornamos confortáveis com a ideia de chaleiras que podem ser ligadas através da app do seu smartphone quando se aproxima da sua casa depois de um longo dia. Ou o termostato doméstico que pode ser acionado do trabalho ao primeiro sinal de vento frio.

Mas e os ténis que dizem quantos passos já correu, o comprimento da sua passada ou até mesmo a pressão que exerce a cada passo? E os semáforos que se acendem quando um veículo se aproxima a meio da noite e reportam aos planeadores da cidade para ajudá-los a melhorar a fluidez do trânsito?

A ideia de máquinas a conversar com máquinas está apenas a ganhar força. Mas ganha velocidade; Dos 1,5 trilião de objetos no planeta que poderiam ser conectados via internet, apenas cerca de 1% ou 15 biliões realmente são. O facto interessante é que, até 2020, cerca de 50 biliões de dispositivos farão parte da IoT – e apenas 17% deles serão computadores ou smartphones. O restante será "tecnologia operacional" – objetos que podem enviar, receber, processar e armazenar dados.

Image showing discover app on a mobile screen

Assine a newsletter Discover

  • Fortnightly insights, tips and free assets
  • We never share your data
  • Shape a global audience for your business
  • Unsubscribe any time
Image showing discover app on a mobile screen
MRI scanner

A Internet das Coisas é um subconjunto do que é chamado de "A Internet de Tudo". Enquanto IoT é fundamentalmente sobre máquinas a falar com máquinas (ou M2M no jargão geek), IoE também inclui máquinas que falam com pessoas (M2P) e pessoas que falam com pessoas (P2P). Este é o "quadro geral" para amanhã que começa a tomar forma hoje. Imagine usar um gadget que monitoriza uma série da sua biometria, alimentando constantemente esses resultados para outras máquinas que analisam o seu bem-estar. Detecão precoce de cancros, sinais de stress mental, risco de acidente vascular cerebral ou doença de Alzheimer? Tudo isto é possível.

Que tal entrar numa loja onde a equipa se dirige imediatamente a si pelo nome, conhece as suas preferências e gostos e pode direcioná-lo para novos produtos de acordo como  seu gosto?

A Cisco estima que a Internet de Tudo tem um "Valor em Jogo" (leia-se lucro líquido potencial) de cerca de US$ 19 triliões na próxima década. Este não é um futuro de ficção científica. Isto está a acontecer agora – e as empresas inteligentes não estão apenas a considerar o potencial – elas dão-lhe vida. Aumentar a receita da inovação, melhorar a utilização de ativos, aumentar a produtividade dos funcionários, simplificar a logística ou reinventar a experiência do cliente, a Internet de Tudo está pronta para transformar pequenas empresas e multinacionais nos próximos anos. Potencialmente, este é o maior salto quântico no comércio desde a revolução industrial. Estará pronto para levar 'Tudo' a bordo?